Text Box: História

 

No coração do Minho

 

Vila de Caldelas

 
No coração do Minho
 

 

 

 

 

 

Text Box: Onde FicarText Box: LocalizaçãoText Box: InícioText Box: Escolha a sua opçãoText Box: Contactos

Text Box: Autarquia Local

Text Box: Turismo/ Lazer

Text Box: Onde Comer

 

1. Evolução Histórica                                                                                            Clique sobre o assunto pretendido

 

1.1     Castro de Caldelas – Caldelas Celta

1.2     Romanização – Caldelas Romana

1.3     Idade Média

1.4     Aparecimento de Caldelas – primeiro registo histórico

1.5     “Renascimento” do Sec. XVIII – exploração termal

 

2. Nome da Povoação

 

3. Heráldica

 

 

 

1.1. Castro de Caldelas – Caldelas Celta

 

 

A origem de Caldelas é localizável, aos conhecimentos de hoje,  à saída da pré-história, através da existência de uma pequena povoação castreja, fortificada, em que viviam um reduzido número de famílias Celtas. Essa povoação proto-histórica é ainda hoje localizável no outeiro de S. Sebastião (latitude:180; longitude:522.35; alttude:222 m), junto do actual lugar do Monte, sendo identificáveis actualmente somente algum material de derrube, nos locais onde passaram as muralhas, visto que a cobertura vegetal do cabeço não deixa perceber quaisquer estruturas à superfície.

Voltar ao topo

 

 

1.2. Romanização – Caldelas Romana

 

Desconhece-se, por falta de trabalho arqueológico, se o pequeno povoado castrejo terá sido romanizado, e daí ter originado a “Caldelas Romana”, mas o contacto da povoação de Caldelas com os Romanos é um facto histórico inegável. A sua posição geográfica, assente numa colina próxima do vale do Homem, marginada por dois cursos de água (um rio e uma regato), facilmente defensável contra agressores indesejáveis, terá oferecido condições excelentes aos romanos para implementarem a sua organização  e a sua língua na zona. Para comprovar a romanização de Caldelas, basta atender aos vestígios romanos encontrados na localidade, que vão desde uma Necrópole Romana (latitude:180; longitude:522.2; alttude:150 m), identificada pelo Padre João Martins de Freitas, no início do século, aquando de obras no que é hoje o Grande Hotel da Bela Vista, tendo sido encontrados nesta três vasos de cerâmica comum romana, inteiros, com pastas claras, muito semelhantes a outros exumados nas necrópoles de Braccara Augusta, ou mesmo, as duas lápides (hoje expostas no hall de entrada do Grande Hotel da Bela Vista), duas aras votivas, epigrafadas, dedicadas ás Ninfas, encontradas em 1803 aquando da realização de obras junto das nascentes das termas, uma com a inscrição “CAEN(i)/ CIEN(US)/ NYM/ PHIS/ EX VO/ TO”, que pode ser transcrito para português como, “Ceniciano ás Ninfas por voto”, e outra “.../ D(e)AB(US)/ NYM/PHIS/ EX VO/ TO”, que pode ser transcrita como, “Ás Deusas Ninfas por voto”. É evidente, na segunda parte de ambas as inscrições,  a expressão de um voto (uma promessa) feito ás Deusas Ninfas daquelas nascentes, mostrando claramente, que os romanos, conheceram, utilizaram e apreciaram aquelas nascentes, atribuindo-lhes “poderes sobrenaturais”.

 

Voltar ao topo

 

 

1.3. Idade Média

 

Na primeira metade do século V da nossa era, os Bárbaros, povos do norte da Europa e Ásia ocidental, invadiriam em vagas sucessivas o Império Romano do Ocidente, usando a técnica da terra queimada, destruindo tudo á sua passagem. Braccara Augusta foi conquistada pelos Visigodos em 456 e Roma foi tomada pelos Hérulos, vinte anos depois, em 476, ditando assim o fim definitivo do Império Romano do Ocidente e dando início ao que viria a ser conhecido na História Universal como a Idade Média. Para Caldelas, a Idade Média foi um “túnel” de silêncio e desinteresse, época que pode mesmo ser considerada de decadência. Tal pode ser explicado pela fúria devastadora dos Bárbaros, que como parte vencedora, entendiam que  deviam destruir todo o que lhes recordasse os vencidos conjugada com o desinteresse da Igreja, unidade central de poder da Idade Média, pelas nascentes termais de Caldelas, que tinha sido descobertas por idólatras e pagãos, que adoravam forças da natureza e não Deus.

 

Voltar ao topo

 

 

1.4. Aparecimento de Caldelas – primeiro registo histórico

 

Num documento de 1145, relativo a direitos de igrejas, herdades e rendimentos, é dada notícia duma divisão de arcediagos de Braga entre o arcebispo e o seu cabido, sendo referidos nomes de freguesias vizinhas de Caldelas, como Torre e S. Vicente. Contudo neste documento  não é referido expressamente o nome de Caldelas, apesar de pertencer ao referido arquidiaconato de Entre Homem e Cávado. Este facto pode ser explicado, não pela inexistência de Caldelas á altura, mas sim pelo facto de esta ser terra de Comenda de Cristo, tendo o título de reitoria, até 1918, ano das Constituições Bracarenses, tendo só então sido convertida em Abadia.  O primeiro registo histórico de Caldelas, data de 1208, num documento do papa Inocêncio III, que encarregava o Deão de Zamora, de resolver um conflito entre o arcebispo de Braga e algumas freguesias que se recusavam a pagar direitos á cúria diocesana. Entre as freguesias mencionadas no referido documento,  consta expressamente o nome da  freguesia de Sant´iago de Caldelas, significando isto que esta já tinha existência canónica em 1208. Num outro documento de 1214, sobre uma divisão de dádivas entre o arcebispo de Braga e o seu cabido, também consta expressamente o nome de Sant´iago de Caldelas.

 

Voltar ao topo

 

 

1.5. Renascimento do séc. XVIII – exploração termal

 

Em meados do séc. XVIII começou em Caldelas um novo período histórico, devido em grande parte aos conselhos dum frade carmelita e, depois, à dedicação activa dos frades do Mosteiro de Rendufe. Assim, em 1779, um frade carmelita descalço, Frei Cristóvão dos Reis, administrador da botica do Convento do Carmo em Braga, publica em Lisboa uma obra intitulada “Reflexões Metódico-Botânicas (e outras notícias de águas minerais)”, onde o autor faz várias considerações sobre as duas nascentes termais, a que chamou Caldas do Albito, na freguesia de Caldelas, e das quais se pode salientar a menção ao desinteresse que vinha de longe pelas duas nascentes, visto os locais não as usarem como águas medicinais, servindo estas apenas como qualquer nascente vulgar para lavar roupa,  referindo que nas condições em que as encontrou não havia condições sequer para banhos. Contudo, refere virtudes terapêuticas extraordinárias para as águas das duas nascentes, nas áreas de tratamentos cutâneos e gástrico-intestinais, enumerando sucessos curativos alcançados por pessoas a quem  as aconselhou. O frei Cristóvão, pode ser considerado como o desencadeador, em meados do séc. XVIII, do movimento popular que produziu o “Renascimento” das águas mínero-medicinais de Caldelas.  O povo começou então a utilizar as águas mínero-medicinais, de uma maneira desordenada, não existindo instalações adequadas para tal. Em 1780, as águas mínero-medicinais de Caldelas começaram a ser administradas pelos frades do Mosteiro de Rendufe, até 1834, ano da extinção das ordens religiosas. Foi na administração do Mosteiro de Rendufe que se operou, nas Caldas do Albito,  a transição da fase de utilização primitiva, para uma utilização disciplinada, a caminho da exploração moderna. Em 1803, fizeram obras, construíram quatro poços em pedra e instalaram a chamada ainda hoje chamada  “Bica de Fora”. Após 1834, a administração termal passou sucessivamente, pelo pároco de Caldelas, pela Câmara Municipal de Caldelas, pelo Visconde de Semelhe e finalmente, pela administração actual da Empresa das Águas Mínero-Medicinais de Caldelas, tendo a vida de Caldelas ficado permanentemente ligada, até aos dias de hoje, com a vida das suas Termas.

 

Voltar ao topo

 

 

2. Nome da Povoação

 

O nome de Caldelas (Caldellas na grafia antiga), é todo de origem latina e o seu significado relaciona-se directamente com as nascentes mínero-medicinais.  Assim, etimologicamente, o vocábulo “Calldelas” é uma palavra derivada do étimo latino “calda” (que significa água quente) com o sufixo diminutivo “ella” também latino (que junta a ideia de pequenez), sendo o plural utilizado para referir duas nascentes. Assim “Caldellas” significa literalmente “pequenas águas quentes”, estando o nome da povoação naturalmente ligado ao período da romanização atrás referido, existindo registos escritos deste nome desde o sécilo XIII.  Caldelas, só com um l, é a grafia moderna, adoptada no primeiro quartel deste século.

A título de curiosidade, refere-se aqui uma ingénua e errónea  lenda, contada ainda hoje, sobre o nome Caldelas, certamente provocado por um erro ortográfico feito no século XVI. Assim, num documento datado de 1528, sobre direitos devidos ao arcebispo de Braga, o nome da povoação aparece com a grafia de Qualdellas, mais exactamente Sant´iago de Qualdellas. Por esta grafia alguém entendeu o que o vocábulo era composto pela justaposição de “Qual-dellas”, tendo o povo, sempre com a sua adorada imaginação, encontrado de imediato um significado para este nome, criando a lenda que passamos a descrever resumidamente: certo dia um forasteiro, que procurava o alívio das águas milagrosas, quando chegou junto das nascentes, deparou-se com a existência de não uma, mas sim, duas nascentes (que ainda hoje existem) e naturalmente perguntou, a alguém que se encontrava no local, “De Qual dellas devo beber?”. Contudo esta lenda, tal como referido acima,  e o nome Qualdellas, derivam certamente de uma erro de um escrivão menos rigoroso, que trocou o C por Qu,  visto que a grafia Caldellas está registada em diversos documentos dos três séculos anteriores ao primeiro aparecimento da grafia  Qualdellas. Quanto aos nomes que identificaram as águas mínero-medicinais, podemos referir cronologicamente, desde os tempos da romanização até aos nossos dias, Caldellas, Caldas do Alvito (pequeno ribeiro que passa junto ao local),  Caldas de Rendufe, Caldas de Caldelas, Poços e Banhos e finalmente, Termas de Caldelas.

Voltar ao topo

 

 

3. Heráldica

 

Armas - Escudo de vermelho, com um círculo de prata carregado de burelas ondadas de azul; em chefe, duas vieiras de ouro realçadas de negro; campanha ondada de prata carregada de uma burela ondada de azul. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco com a legenda a negro, em maiúsculas : “ CALDELAS - AMARES “.

 

Intrepretação das Armas – Escudo vermelho, simboliza a paz das gentes de Caldelas; círculo de prata de burelas ondadas de azul, símbolo heráldico das termas; vieiras de ouro, símbolo do orago São Tiago; campanha ondada de prata carregada de uma burela ondada de azul, simboliza os aquíferos que passam em Caldelas, Rio Homem e Ribeiro Albito; coroa mural de prata de quatro torres, simbolo de uma vila.

 

Orago: São Tiago; Área: 4,5 km.

Elevação da sede da freguesia a vila em 02/07/1993.

Ordenação heráldica do brasão e bandeira publicada no Diário da República, III Série de 31/05/2000.

 

Para mais informações visitar www.fisicohomepage.hpg.ig.com.br/caldelasamr.htm

Voltar ao topo

 

Início - Localização- Onde Ficar- Onde Comer - Turismo/Lazer - Autarquia Local - Contactos

 

Propriedade: Junta de Freguesia de Caldelas

Webmaster: engenheiro@mail.telepac.pt

ã 2003, Última actualização a 13/10/2005